Como tratar alterações pancreáticas difusas?

O exame ultrassonográfico de órgãos é um método de diagnóstico padrão usado em cada clínica. Recomenda-se submetê-lo não apenas para pacientes, mas também para pessoas saudáveis ​​como medida preventiva durante um exame médico. Muitas vezes, na opinião do diagnosticador, vemos esta frase: alterações difusas no parênquima do fígado e pâncreas. Mas o que é esse diagnóstico e é um perigo para a saúde? Vamos descobrir.

O que isso significa

O método de diagnóstico por ultrassom é baseado na capacidade reflexiva dos tecidos do nosso corpo. As ondas sonoras, tendo atingido essa ou aquela formação, encontram um obstáculo em seu caminho. Quanto mais denso esse obstáculo, mais ondas sonoras serão refletidas, menos ondas passarão por todo o corpo e vice-versa.

Assim, a base de todos os diagnósticos por ultrassom é a densidade diferente dos tecidos do corpo humano. Normalmente, cada órgão tem a mesma densidade em todas as áreas. Nesse caso, eles falam de uma densidade homogênea do parênquima sem alterações difusas do tecido.

Se surgir algum processo patológico - inflamação, violação das propriedades reológicas do fluido, distúrbios metabólicos -, o sensor perceberá esses focos como seções de diferentes densidades dentro do mesmo órgão. Isso é chamado de alterações difusas.

Um sinal que ajuda a determinar o local da lesão

De volta ao pâncreas. Como outros órgãos, a glândula normalmente tem uma estrutura de tecido uniforme. Se ficar inflamado, sofrer degeneração gordurosa, se houver áreas de petrificações e calcificações, então, ao concluir o ultrassom, o médico escreverá a frase “mudanças difusas no parênquima pancreático”. Como o pâncreas está próximo do fígado e do sistema biliar, a conclusão mais comum é escrita "alterações difusas no fígado e no pâncreas".

Como rearranjos são observados em muitos processos patológicos, essa conclusão não pode ser um diagnóstico. Este é apenas um sinal indicando que existe uma patologia nos órgãos e o paciente precisa de mais exames.

Importante! Alterações difusas no corpo - isso não é um diagnóstico ou mesmo um sintoma. Este é apenas um sinal que ajuda o médico a determinar o local da lesão da glândula, fazer um diagnóstico preliminar e prescrever exames laboratoriais adicionais e métodos de exame instrumental.

Formas de alterações difusas no fígado e pâncreas

  1. Degeneração gordurosa - lipomatose. Esta patologia é comum entre todas as pessoas em idade avançada. Nesse caso, o parênquima pancreático normal é substituído por tecido adiposo. Os pancreatócitos são substituídos por adipócitos. O problema é que os adipócitos não são capazes de desempenhar as mesmas funções intracretórias e exócrinas inerentes ao pâncreas. Esse sintoma também ocorre em pessoas jovens ou maduras com diabetes. O pâncreas em si ao mesmo tempo se torna mais denso, o paciente apresenta pequenos sintomas de deficiência enzimática. Em conclusão, o médico indica: alterações difusas no pâncreas pelo tipo de lipomatose.
  2. Substituição difusa do parênquima do pâncreas e fígado por tecido conjuntivo. Este processo é chamado de fibrose. A degeneração do parênquima é devida ao processo inflamatório ou distúrbios metabólicos. Nesse caso, as áreas inflamadas ou isquêmicas são substituídas por tecido conjuntivo, que também não é capaz de desempenhar as funções do pâncreas.

Assim, as causas das mudanças difusas podem ser:

  • Pancreatite de qualquer forma e etiologia.
  • Diabetes mellitus do primeiro e do segundo tipos.
  • Distúrbios metabólicos e doenças sistêmicas que ocorrem com distúrbios metabólicos.
  • Processos inflamatórios secundários, passando de outros órgãos.
  • Intoxicação crônica - consumo descontrolado de drogas, doenças crônicas do sistema digestivo, abuso de álcool, tabagismo.

Predispõe a idade idosa e senil à degeneração do parênquima, desnutrição e má alimentação, predisposição hereditária, situações estressantes frequentes.

Importante! Em condições severas - degeneração cancerosa, cistos e cálculos dos ductos excretores - a conclusão sobre a presença de alterações difusas não é válida. Eles só podem estar em doenças metabólicas, tóxicas ou inflamatórias crônicas que afetam todo o órgão, e não apenas sua área específica.

Tipos de alterações difusas

Os rearranjos difusos podem ser de dois tipos: moderado e pronunciado.

Alterações difusas moderadas no pâncreas são observadas nos estágios iniciais de fibrose e lipomatose. A degeneração tecidual ainda não está expressa, não são observados sintomas de deficiência enzimática. A causa mais comum de alterações moderadas é uma forma leve de pancreatite e edema do pâncreas. Eles raramente são detectados, na grande maioria dos casos, por acaso, em um exame médico preventivo. Nenhum tratamento especial é necessário. A terapia conservadora é suficiente para impedir uma maior progressão do processo.

Alterações marcadas estão presentes em condições avançadas e doenças crônicas com uma longa história. Eles, como regra, não são mais reversíveis. O paciente tem sintomas de deficiência enzimática. Para o tratamento, além da terapia conservadora, o médico prescreve terapia de reposição enzimática e terapia medicamentosa. Esses métodos são tratamento sintomático. Além disso, é realizado tratamento etiotrópico - terapia da doença subjacente.

Como tratar alterações pancreáticas difusas?

A necessidade de tratamento e a quantidade de tratamento são determinadas pelo médico assistente. Quando não há sintomas característicos de doenças da glândula, a terapia não é necessária, mas você precisa continuar o estudo para a presença de um cisto ou neoplasia.

O tratamento das alterações pancreáticas difusas é realizado apenas se houver queixas características de doenças do trato digestivo e após confirmação do diagnóstico. A terapia nesta situação visa corrigir a principal doença.

Tratamento de pancreatite aguda

  1. No período de pancreatite aguda, a glândula precisa descansar.
  2. Para esses fins, os alimentos são reduzidos ou completamente cancelados por um determinado período de tempo.
  3. Para reduzir a inflamação, a nutrição normal é substituída por intravenosa. Em tal situação, os sintomas de mau funcionamento no funcionamento da glândula devem diminuir.

Tratamento de pancreatite crônica

Durante as manifestações crônicas da pancreatite, na ausência de exacerbações, o paciente pode sentir dor, constipação, náusea, má digestão das gorduras e fezes intensas. Na pancreatite crônica, o tecido da glândula é destruído por um longo período de tempo.

A cura completa não ocorre e a principal tarefa dos especialistas é impedir a destruição adicional da glândula:

  • Um papel importante é desempenhado por uma dieta para inflamação do pâncreas.
  • É necessário excluir cafeína e bebidas alcoólicas,
  • coma alimentos leves com baixa concentração de gordura,
  • tomar enzimas e vitaminas,
  • tratar diabetes, se houver.

Pancreatite aguda

Na inflamação aguda, a saída normal da secreção é interrompida. Ao mesmo tempo, é jogado de volta aos dutos, de onde entra no parênquima.Esse refluxo leva ao fato de que o tecido da glândula é digerido por suas próprias enzimas, o próprio órgão incha. No ultra-som, isso se reflete em uma diminuição na densidade do tecido, um aumento no tamanho do pâncreas. Os ductos podem não ter patologia; em alguns casos, pedras ou estenoses são encontradas neles que interferem no fluxo de enzimas.

Pancreatite crônica

Com um processo inflamatório crônico em remissão e com necrose pancreática, a densidade do tecido aumenta, o parênquima fica mais frouxo devido ao crescimento do tecido conjuntivo. O tamanho do órgão em si não muda, não se observa edema da cápsula e parênquima. Dutos excretores também sem patologia.

Alterações no diabetes mellitus ao ultra-som

No diabetes, o tecido glandular normal é substituído pelo tecido adiposo. O mesmo é observado em pessoas saudáveis ​​na velhice e na velhice. O tecido adiposo possui maior capacidade de repelir o som do que o tecido conjuntivo e o tecido pancreático. Portanto, se, em conclusão, o médico escreveu sobre alterações difusas no pâncreas com aumento da ecogenicidade, sugerem a presença de lipomatose.

Tratamento do músculo liso espasmódico dos ductos da glândula

Para relaxar o músculo liso espasmódico dos ductos glandulares, são prescritos antiespasmódicos (sem shpa, platifilina). Isso ajuda a melhorar a saída do suco pancreático, que contém enzimas, para os intestinos.

Para reduzir a produção de enzimas digestivas, utiliza-se atropina, terapia local como resfriado na área da glândula. Sabugueiro preto é caracterizado por um pequeno efeito colerético e antipirético, reduz espasmos musculares. As inflorescências de sabugueiro estão incluídas em muitas coleções.

O que fazer

Se na conclusão do ultrassom você foi diagnosticado com a presença de alterações difusas, não precisa entrar em pânico. Este não é um diagnóstico; eles geralmente são diagnosticados em pessoas saudáveis. Na grande maioria dos casos, a presença de rearranjos difusos é uma boa notícia, pois eles não ocorrem com patologias graves: câncer, cisto, abscesso.

Se você não está preocupado com dor abdominal, diarréia, flatulência e inchaço, basta descobrir a causa raiz e ajustar a dieta. Se os sintomas acima o incomodarem, realize uma série completa de estudos para identificar a doença, indicando o tratamento adequado.

Tratamento da esclerose do parênquima pancreático

Alterações difusas moderadas no parênquima pancreático podem indicar a substituição do tecido glandular por cicatrizes ou células adiposas.

Quando a esclerose do parênquima progride e está associada a uma grave deficiência de enzimas:

  • A proteína é administrada por via intravenosa.
  • Introduzir nutrição a partir de aminoácidos.
  • Prescreva vitaminas e hormônios que melhoram o anabolismo.
  • A terapia medicamentosa é usada apenas na luta contra a patologia.
  • As enzimas são prescritas. Esses fundos são tomados com as refeições. Assim, o paciente compensa a incapacidade da glândula de produzir o número necessário de suas enzimas digestivas.

Princípios de tratamento

O tratamento das mudanças difusas em si não existe. Eles não são eliminados durante a cirurgia, pois a remoção total do pâncreas é realizada em situações extremas.

Se ocorrerem alterações difusas no contexto de uma saúde completa e o exame não mostrar a presença de doenças nosológicas, será necessário seguir uma dieta para tratamento.

Noções básicas de dieta e nutrição:

  • Refeições frequentes - até 5-6 vezes ao dia em pequenas porções.
  • Comida quente servida.
  • A exceção à dieta é gordurosa, frita. Não é recomendável incluir alimentos irritantes: picantes, em conserva, salgados, picantes, doces.
  • Os pratos são cozidos no vapor ou cozidos.
  • A ênfase principal na seleção de produtos deve ser dada a vegetais, carnes magras e cereais.
  • Recusa em tomar álcool, fumar.

Se o paciente se queixar de distúrbios digestivos, dor abdominal, ele será submetido a uma ampla gama de estudos de diagnóstico. Depois de identificar a doença subjacente, estabelecer um diagnóstico, o tratamento é prescrito, durante o qual são tratadas alterações difusas.

Além de dieta, cessação do tabagismo e álcool, o paciente é prescrito sintomático e medicamentos e drogas para eliminar a patologia.

Medicamentos sintomáticos:

  1. Terapia enzimática de substituição por preparações enzimáticas digestivas: Festal, Pancreatin. Eles eliminam distúrbios dispépticos: peso no abdômen, diarréia, inchaço.
  2. Analgésicos de vários anti-inflamatórios não esteróides: Nise, Ketonov, Diclofenac, Ibuprofeno. Eles estão bêbados durante o período de sensação de dor aguda no abdômen.
  3. Medicamentos para melhorar o peristaltismo: Metoclopramida, Domperidona, Tserukal.

A terapia patogenética para eliminar a doença subjacente é selecionada individualmente, dependendo do grupo nosológico de patologia.

Tratamento de fibrose pancreática

É necessário tratar a fibrose glandular para compensar a insuficiência intra e exócrina:

  • Prescrever a dieta nº 5p, que inclui estimular a secreção de enzimas, produtos com alta concentração de proteínas.
  • Limite de carboidratos.
  • Quando caquexia é expressa refeições parenteral.
  • A terapia etiotrópica consiste em eliminar as causas da patologia (excluir o uso de bebidas alcoólicas, colecistectomia durante doença biliar, papilostenose cirúrgica).

Para substituir a insuficiência exócrina, são prescritas enzimas: pancreatina, creon, lipase e outros. Quando a insuficiência é absoluta, esses remédios são usados ​​regularmente nas doses mais altas. O critério para a eficácia desse tratamento é considerado parar a perda de peso, reduzir a dispepsia, eliminar a diarréia.

A correção de falhas no metabolismo de carboidratos é realizada:

  • Com agentes hipoglicêmicos orais,
  • Raramente, é necessário tratamento com insulina.
  • Quando não há exacerbações da doença, eles recomendam tratamento em sanatórios ou resorts.
  • Cirurgia Quando a dor é expressa, o tratamento conservador é ineficaz, o peso é rapidamente perdido, as recaídas constantes da pancreatite.

Tratamento de lipomatose

Na maioria das vezes, eles tentam tratar a lipomatose com métodos conservadores.

Estes incluem:

  • Revisão e ajuste de nutrição.
  • Combater o excesso de peso.
  • Eliminação de vícios: fumar, beber álcool.
  • Estilo de vida ativo.

Além do acima, é prescrito um tratamento adicional com o objetivo de normalizar a digestão e restaurar a falta de hormônios.

Terapia conservadora refere-se ao tratamento de doenças relacionadas:

  • Hepatite.
  • Doença da tireóide.
  • Terapia durante diabetes.

Dieta alimentar

  • A nutrição durante o período de alterações difusas é ajustada de acordo com o diagnóstico estabelecido.
  • O tratamento é longo e requer adesão estrita às recomendações alimentares.
  • Independentemente da doença, um paciente com essas alterações deve lembrar que o pâncreas, em princípio, não percebe álcool. O uso de álcool leva a formas agudas da doença e piora o tom geral.
  • É necessário seguir uma dieta hipocalórica, onde o principal papel é desempenhado pelos alimentos vegetais, cereais e leite azedo.
  • Defumados, picles e especiarias devem ser completamente removidos para melhorar a palatabilidade e o apetite.
  • Os alimentos devem ficar moderados, impedir a secreção intensiva de sucos, pois isso provoca ataques de pancreatite.
  • Este sintoma pode indicar diabetes progressivo. No menu, você também precisa remover completamente os carboidratos facilmente digeríveis: doces, algumas frutas.
  • A nutrição dietética deve incluir cereais e pratos de vegetais. A comida é ajustada dependendo da doença que levou a essas mudanças no corpo.

Alimentos Proibidos:

  • Álcool em qualquer dose.
  • Comida picante, gordurosa, doce, salgada, frita e defumada.
  • Suco em um saco, alimentos enlatados, especiarias, salsichas.

Alimentos permitidos:

  • Pratos de vegetais e frutas (a ingestão de citros deve ser reduzida, pois contêm uma grande quantidade de açúcar).
  • Tipos de carne e peixe com baixo teor de gordura.
  • Leite azedo e produtos lácteos.
  • Cereais, cereais.

Outras dicas:

  • As porções devem ser pequenas
  • Eles aconselham comer com frequência, mas pouco a pouco.
  • Cozinhar deve ser cozido no vapor,
  • Proibir excessos.
  • A recepção de sal leva à deposição de sais nos tecidos, portanto, é aconselhável removê-lo do menu.

Causas de alterações difusas

As causas de tais mudanças na glândula são diversas. Freqüentemente ocorrem durante processos metabólicos-distróficos. Também se desenvolve durante uma falha na circulação sanguínea nessa área, com doenças do sistema endócrino, mau funcionamento dos ductos biliares e fígado.

Na velhice e naqueles com diabetes, o tecido pancreático se torna menor em tamanho. A deficiência é composta por tecido adiposo. Tais mudanças não são patológicas e não precisam de tratamento. Porém, após um ultrassom, são diagnosticadas alterações difusas na glândula com aumento da ecogenicidade com dimensões normais.

Isso também pode ser observado durante a substituição uniforme do tecido destruído da glândula por tecido conjuntivo. As dimensões do corpo são normais ou um pouco menores. Uma patologia semelhante aparece em conexão com distúrbios metabólicos distróficos crônicos ou durante a forma aguda de pancreatite. Se esta doença não for confirmada, essas alterações não precisam de tratamento.

As causas de várias alterações na glândula são:

  • Dieta inadequada, ingestão excessiva de alimentos condimentados, doces, salgados, farinhas, gordurosos.
  • Estresse constante e disposição genética.
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas, tabagismo.
  • Doenças do trato digestivo.
  • Uso inadequado de medicamentos.

Muitas vezes, essas alterações aparecem em pessoas com diabetes devido à falta de produção de insulina. A concentração de açúcar na corrente sanguínea aumenta e a glicose entra na urina. Em tal situação, é necessária terapia especial para eliminar a doença subjacente.

Sinais e sintomas de mudança

Sinais de alterações difusas no pâncreas estão associados à principal doença que levou à ocorrência desse fenômeno. Os principais sintomas são os seguintes:

  • Diminuição do apetite
  • Constipação persistente e diarréia,
  • Sensação de peso do estômago.

Na pancreatite aguda

Durante a forma aguda da pancreatite, alta pressão pode aparecer nos ductos pancreáticos, o que pode causar danos e a liberação de enzimas digestivas através dos tecidos do órgão. Isso pode causar a destruição do tecido da glândula e provocar intoxicação.

A pessoa sente:

  • Dor aguda perto do hipocôndrio esquerdo,
  • Reflexo regular da mordaça
  • Náusea.
  • Sintomas de uma frequência cardíaca progressiva
  • Pressão arterial baixa

O paciente não se sente melhor, às vezes pode ser necessária terapia intensiva ou cirurgia.

Durante a forma crônica de pancreatite, a patologia se torna mais prolongada:

  1. Na fase preliminar, a glândula está danificada, o que leva a edema e hemorragia menor.
  2. Depois disso, o ferro se torna menor e a esclerose ocorre, levando a interrupções na produção de enzimas.
  3. No processo de desenvolver uma doença, o paciente desenvolve dor pronunciada.

No estágio inicial da fibrose pancreática

  • Quando alterações difusas são provocadas por fibrose, não há patologia no estágio inicial da doença.Durante a inflamação fibrosa, o tecido normal deste órgão é substituído pelo tecido conjuntivo. Isso pode levar a uma diminuição na produção de enzimas e hormônios que suportam os processos de metabolismo e digestão dentro do corpo.
  • No estágio seguinte, a patologia da doença é semelhante aos sintomas da pancreatite. O paciente sente dor constante próximo ao hipocôndrio esquerdo e náusea.
  • Devido à falta de enzimas, náusea, diarréia, reflexo de vômito, ocorre súbita perda de peso.
  • Então, como resultado do esgotamento das reservas de proteínas, ocorre uma alergia no organismo e interrupções na produção de insulina levam ao diabetes.

Com lipomatose pancreática

Quando alterações no pâncreas são provocadas por lipomatose, esse será um processo irreversível. O tecido do corpo saudável substitui o tecido adiposo.

Devido ao fato de as células adiposas não serem capazes de desempenhar as funções das glândulas digestivas, o corpo sente falta de substâncias necessárias para o trabalho adequado.

A patologia da lipomatose depende inteiramente da gravidade dessas alterações na glândula. Assim, quando a doença é caracterizada por uma disseminação limitada do foco dos sintomas, o processo continuará sem sintomas.

Durante a progressão descontrolada, o parênquima é comprimido por um grande acúmulo de tecido adiposo, o que provoca dor e leva ao mau funcionamento da glândula.

Diagnóstico

Para saber como tratar alterações pancreáticas difusas, é necessário fazer o diagnóstico correto. Diagnosticar alterações difusas na glândula usando ultra-som. Usando este método, o especialista revela um aumento ou diminuição da densidade do tecido, uma alteração na uniformidade, a detecção de focos de inflamação. Mas finalmente se convencer dessas mudanças é possível apenas usando exames adicionais.

O paciente recebe:

  • Química do sangue
  • Diagnóstico endoscópico,
  • Um especialista pode coletar uma anamnese, a partir das reivindicações do paciente.
  • Gesto com os dedos é necessariamente realizado
  • Pesquisa com ferramentas.

O diagnóstico de tais alterações inclui:

  • Detecção de concentração de enzimas e glicemia.
  • Exame geral de sangue.
  • Detecção de enzimas na relação urina e inibidor / tripsina.
  • Ultra-som do pâncreas (dimensões, presença de focas e edema, o estado geral das vias virais).
  • Implementação de CT e ERCP.

Conceito e razões

Se forem detectadas alterações difusas, o especialista precisa verificar os ecos de outros elementos da cavidade abdominal - isso mostrará se houve alterações apenas na glândula ou se a patologia se espalhou por outros órgãos. Muitas vezes, o problema passa para o pâncreas a partir da vesícula biliar, baço e fígado. Alterações neste caso são chamadas reativas.

Alterações difusas ocorrem por vários motivos:

  1. Nutrição inadequada. Abuso de junk food, falta de equilíbrio.
  2. Estresse crônico
  3. Predisposição genética.
  4. Maus hábitos (álcool, drogas, cigarros).
  5. Patologia no trato gastrointestinal.
  6. Medicação inadequada (não para o objetivo pretendido, dosagem excessiva, ignorando contra-indicações).
  7. Violação do suprimento de sangue para o pâncreas.
  8. Problemas com processos metabólicos e endócrinos.
  9. Velhice.

Alterações difusas em uma criança aparecem apenas juntamente com a patologia de outros órgãos. Geralmente estes são processos inflamatórios crônicos. O motivo de tais alterações também pode ser:

  • infecção infantil
  • patologia congênita
  • trauma
  • tomando antibióticos fortes
  • envenenamento.

Descubra a causa exata das alterações usando estudos adicionais. Estes são exames de sangue, endoscopia do duodeno, tomografia.

Sintomas e tipos

Alterações difusas são geralmente indicadas por certos sinais:

  • peso constante no estômago
  • alternância de fezes densas e soltas,
  • falta de apetite.

Esses sintomas são comuns, mas para cada doença existem características:

  1. Na pancreatite aguda, a integridade dos tecidos da glândula é violada, portanto o processo de retirada dos sucos digestivos muda, causando intoxicação geral do corpo. O paciente está doente, há rajadas de vômito, dor aguda ocorre no hipocôndrio esquerdo e taquicardia às vezes aumenta.
  2. As manifestações crônicas da pancreatite começam com inchaço e pequenas hemorragias devido a danos nos tecidos. O pâncreas é reduzido, a dor durante a exacerbação se intensifica.
  3. A fibrose pode ser assintomática. A produção de enzimas diminui, interrompendo o processo digestivo. Tal patologia pode se manifestar por náusea, vômito, fezes soltas e perda de peso.
  4. Os sintomas com lipomatose dependem do número de focos. Se ele estiver sozinho, a doença é fraca ou assintomática. Com a disseminação da patologia por todo o corpo, ocorrem violações em seu trabalho, manifestadas por sensações dolorosas.
  5. Se alterações difusas afetam o pâncreas e o fígado, esse fenômeno é chamado hepatomegalia. Isto não é uma doença, mas uma consequência de alterações patológicas específicas. O estágio inicial da hepatomegalia geralmente é assintomático, mas após o fígado aumentar, sobressaindo-se acima das costelas. Depois disso, ocorre dor agravada pela palpação. O paciente sofre de náusea com vômito, azia e um sabor desagradável. O apetite é reduzido, a pele fica amarelada, é possível uma erupção cutânea com comichão.
  6. Alterações difusas não homogêneas podem ser um sinal de cisto, tumor ou esclerose.

Os sinais de ultra-som desses distúrbios também são diferenciados, dividindo-os em espécies. A natureza das alterações difusas pode se manifestar no diagnóstico de diferentes maneiras:

  1. Diminuição da densidade do eco (a estrutura se torna mais densa), heterogeneidade da eco-estrutura, o tamanho da glândula é moderado, mas aumentado. Tais características são características da inflamação aguda causada por uma violação da retirada das enzimas digestivas. O parênquima (tecido especial) da glândula sofre alterações difusas.
  2. A ecogenicidade e a densidade do eco aumentam, mas o tamanho do órgão é normal. O tecido adiposo substitui as paredes da glândula e, em casos graves, se sobrepõe ao parênquima. Nesse caso, a lipomatose é diagnosticada.
  3. A ecogenicidade e a densidade do eco aumentam, o tamanho do órgão é normal ou ligeiramente menor que ele. Os tecidos de ferro são substituídos por estruturas conectivas. Essas características são características da fibrose.
  4. O parênquima da glândula mudou ecoscopicamente, a densidade do eco é desviada da norma, parte dos tecidos é substituída por uma estrutura gordurosa. O diagnóstico é diabetes.
  5. A densidade do eco e a ecogenicidade são reduzidas, o tamanho da glândula é normal. A passagem da saída de sucos pode ser torcida. Estes são sinais de pancreatite crônica que surgiu devido ao metabolismo da gordura prejudicado.

Para fazer um diagnóstico, não basta obter informações sobre o tipo de sinais de ultrassom. É importante fazer testes adicionais para diagnosticar uma doença específica.

Importante! Alterações difusas não são um diagnóstico de uma doença específica; portanto, não negligencie estudos adicionais para identificar a causa raiz da patologia. A doença deve ser identificada em tempo hábil para aumentar as chances de uma cura bem-sucedida.

Tratamento de pancreatite

Se a pancreatite é a causa de alterações difusas, a questão de como tratar uma patologia depende de sua forma. Na doença aguda, o paciente precisa ser hospitalizado. Certifique-se de tomar as seguintes medidas:

  1. Aliviar a dor. Para fazer isso, recorra a anti-inflamatórios não esteróides. Em alguns casos, você não pode prescindir de drogas - morfina ou promedol.
  2. Relaxe os músculos lisos. Normalmente usado No-Shpu. Alivia o espasmo e melhora a saída do suco pancreático.
  3. Suprimir a secreção pancreática. Realize aplicando frio no estômago e a nomeação de Atropine.
  4. Fome.Deve ser respeitado até que a dor aguda diminua. Então eles podem comer um pouco de iogurte. Os demais produtos são introduzidos gradualmente e em pequenas porções.

Na pancreatite crônica, é possível uma manifestação aguda ou um estado de remissão. Uma exacerbação neste caso é tratada de maneira semelhante a uma doença aguda. Com a remissão, a terapia é diferente:

  1. Preparações enzimáticas para combater diarréia, náusea e inchaço. Geralmente recorra a Mezim ou Creon.
  2. Injeções de uma mistura de aminoácidos. Tal medida é necessária com uma diminuição da função dos órgãos, quando não existem enzimas para a digestão de alimentos protéicos. Além disso, recorra a hormônios anabólicos e vitamina C. Um artigo detalhado sobre medicamentos para o tratamento da pancreatite está aqui.
  3. Nutrição frequente e fracionada.
  4. Diet Atribua o número da tabela 5p. Aqui você pode ler mais sobre a dieta para pancreatite aguda.

Fibrose

O tratamento para fibrose inclui necessariamente uma dieta. Atribua a tabela 5p, como na pancreatite crônica. Limite de carboidratos simples. Se o corpo estiver gravemente esgotado, o alimento será administrado por via parenteral.

Com fibrose, são prescritas preparações enzimáticas. Geralmente recorria ao pancreatin ou lipase. O metabolismo perturbado dos carboidratos é corrigido com medicamentos para baixar o açúcar, às vezes é necessária terapia com insulina.

Se o paciente perder dramaticamente peso, sofrer dor intensa ou exacerbações freqüentes de pancreatite, será necessária intervenção cirúrgica. Durante os períodos de remissão, vale a pena recorrer a um tratamento de spa.

Lipomatose

As medidas terapêuticas para lipomatose visam principalmente a correção da nutrição. O paciente precisa normalizar seu peso, adotar um estilo de vida saudável, se livrar de maus hábitos.

As alterações que ocorreram com a lipomatose são irreversíveis, mas seu desenvolvimento pode ser evitado com a ajuda de uma dieta. Seu princípio principal é nutrição fracionada e pequenas porções. Alimentos nocivos devem ser excluídos da dieta. É melhor cozinhar ou vaporizar produtos sem usar óleo vegetal. A ingestão de calorias por dia deve ser limitada - o valor máximo é calculado individualmente.

A lipomatose pode ser acompanhada por hepatite, doença da tireóide e diabetes. Nesse caso, eles devem ser tratados.

Hepatomegalia

A luta contra a hepatomegalia deve começar com a eliminação de sua causa raiz. A dieta deve ser incluída no complexo de tratamento para reduzir a carga no fígado e ativar a regeneração de seus tecidos.

A terapia medicamentosa consiste em tomar hepatoprotetores. Esses medicamentos são necessários para proteger as células do fígado.

Pequenas manifestações de hepatomegalia não requerem tratamento específico. A terapia é uma dieta especial. A função hepática pode ser sustentada por uma quantidade suficiente de açúcar, que está contida nas frutas, por exemplo, em 0,2 kg de uvas (normal por dia).

Importante! Você não pode prescrever o tratamento, mesmo que o diagnóstico seja conhecido com precisão. Cada doença tem suas próprias características, das quais dependem as nuances da terapia.

Prevenção

Alterações difusas podem ser evitadas através da observação de algumas medidas preventivas. Eles estão em regras simples:

  • parar de fumar e álcool,
  • nutrição racional e regular,
  • alimentos gordurosos mínimos
  • nutrição fracionada e pequenas porções,
  • chás de ervas em vez de café forte,
  • com patologias do trato gastrointestinal, são necessários exames regulares.

E não deixe de ler quais alimentos são prejudiciais ao pâncreas para mudar sua dieta.

Não é difícil detectar alterações difusas, mas é necessário determinar a causa raiz de sua aparência. Depende de suas características específicas de tratamento. Em qualquer caso, a terapia inclui uma dieta.

Experiência de trabalho superior a 7 anos.

Competências profissionais: diagnóstico e tratamento de doenças do trato gastrointestinal e do sistema biliar.

Sobre difusão

O termo "difusão" em latim significa "propagação" ou "interação".Do ponto de vista da física e da química, essa é a penetração e interação de átomos ou moléculas de uma substância com átomos e moléculas de outra. Estudando o fenômeno da difusão, os cientistas começaram a entender melhor a essência dos processos que ocorrem no corpo humano. Este é mais frequentemente o pâncreas. Mudanças difusas - o que é?

Este fenômeno pode ser observado facilmente. Basta adicionar um pouco de tinta a um copo de água e ver como as substâncias se misturam. Na anatomia, esse fenômeno está associado à interação e substituição de uma célula por outra. É exatamente isso que é detectado pelo ultrassom: as células alteradas pela patologia estão localizadas próximas às saudáveis. Os sinais de alterações difusas no pâncreas, por via de regra, são de natureza local (focal) ou mista (difusa).

Quais são as alterações difusas no parênquima pancreático?

Alterações patogênicas no tecido glandular são frequentemente crônicas e, portanto, não há sintomas. Mas o ultrassom com tamanhos normais na ecogenicidade da glândula é aumentado. Em pacientes idosos que sofrem de doenças cardiovasculares, diabetes mellitus, as células saudáveis ​​morrem gradualmente, sendo substituídas por tecido conjuntivo ou adiposo.

Além disso, essas transformações são observadas em violação do suprimento sanguíneo para o órgão formador de enzimas, fígado, em violação do funcionamento do trato biliar, em violação dos processos endócrinos e metabólicos. Em que outros casos ocorrem alterações difusas no fígado e no pâncreas?

Sintomas semelhantes são observados com pancreatite ou distúrbio distrófico do processo metabólico. O diagnóstico de pancreatite pode não ser confirmado e, em seguida, o tratamento não é prescrito, e o paciente não reconhece DIP. Normalmente, ocorrem mudanças no tecido glandular. No curso crônico das doenças, as alterações patogênicas nos tecidos são quase assintomáticas. Estas são alterações pancreáticas difusas leves.

Fatores provocativos

A doença pode ser desencadeada por várias razões:

1) Desequilíbrio na nutrição. Abuso de alimentos gordurosos, farinhentos, salgados, doces e picantes.

2) predisposição genética.

3) Estresse e tensão nervosa.

4) Dependência de drogas e álcool.

5) Doenças crônicas do sistema digestivo.

6) automedicação e uso sistemático de drogas.

Como tratar alterações pancreáticas difusas? Considere isso abaixo.

Quantidades insuficientes de insulina no sangue e a detecção de glicose na urina também são provocadas pelo DIP. Como regra, a causa dessas alterações é a pancreatite, que deve ser tratada. Também é necessário observar certas regras de comportamento do paciente, dieta.

Os principais sinais de alterações difusas no pâncreas

Como regra, os sinais de IC estão associados à doença subjacente. Na maioria das vezes, os pacientes reclamam que sentem peso no estômago, sofrem de diarréia frequente ou, pelo contrário, constipação. Na pancreatite aguda, a pressão no ducto pancreático geralmente aumenta, o que pode causar sua deformação. Devido ao comprometimento da função enzimática, parte das enzimas digestivas pode passar através das células do parênquima pancreático e causar envenenamento do corpo. Nesse caso, o paciente sente dor à esquerda sob o esterno, náusea, geralmente acompanhada de vômito. Um pulso rápido e pressão arterial baixa são observados. Esta condição, via de regra, requer hospitalização.

O estágio inicial da pancreatite crônica é compensado pelo aparecimento de edema e hemorragia nos tecidos da glândula. Então ocorre atrofia, a glândula diminui de tamanho, ocorre o crescimento do tecido conjuntivo e as células formadoras de enzimas deixam de produzir enzimas digestivas. A fibrose também é acompanhada pelo deslocamento de células pancreáticas saudáveis ​​e pela substituição de seu tecido conjuntivo.A produção de hormônios e enzimas cessa. No estágio inicial, os sintomas são escassos e geralmente semelhantes aos sinais de inflamação do pâncreas. Aparecem alterações difusas moderadas no pâncreas.

Sobre lipomatose

Substituir células orgânicas normais por tecido adiposo é chamado lipomatose. A sintomatologia da DIP com lipomatose depende do seu volume. Com pequenas alterações na DI, a patologia pode não se declarar, mas em casos mais graves, o corpo gradualmente começa a sentir uma deficiência de hormônios e enzimas. A proliferação do tecido lipóide leva à compressão do parênquima e, como conseqüência, à diminuição do funcionamento pancreático e ao aparecimento de dor. Estas são alterações difusas no pâncreas pelo tipo de lipomatose.

Órgãos ocos incluem o estômago, urinária e vesícula biliar. Órgãos constituídos por parênquima (tecido glandular): pâncreas, baço, fígado, etc. A principal função do parênquima pancreático é a produção de enzimas e hormônios.

Com diabetes, pancreatite crônica ou pancreatite aguda, ocorrem frequentemente alterações.

O ultrassom mostra um aumento na ecogenicidade do tecido glandular, isso ocorre devido ao processo inflamatório e quando o tecido conjuntivo (fibrose) se torna grosseiro, o que leva a um aumento na densidade. A causa desta anomalia é um desequilíbrio no metabolismo. Outra razão para o aumento da ecogenicidade é a linfomatose (substituição do parênquima por células adiposas).

O inchaço da glândula pode ocorrer devido à pancreatite, devido à qual a densidade do parênquima muda e, como resultado, a reação ecogênica também muda.

Como as alterações difusas no parênquima do fígado e do pâncreas se refletem no estado dos órgãos?

Mudanças na estrutura

A estrutura do parênquima pode ser homogênea e refinada. A granulação levemente aumentada também não é um grande desvio. Em conjunto, um aumento na granularidade indica inflamação e alterações distróficas na glândula associadas à desnutrição.

Um parênquima pancreático saudável se assemelha à eco-estrutura do fígado, que é igualmente homogênea e refinada. Alterações relacionadas à idade na ecogenicidade da estrutura da glândula indicam desenvolvimento de lipomatose, que é frequentemente associada ao aparecimento de diabetes. Sinais de alterações pancreáticas difusas podem ser muito informativos.

DIP reativo

Esta é a sua alteração secundária, uma resposta à patologia nos órgãos digestivos vizinhos, intimamente associada a ela. Especialmente, as glândulas de DI surgem devido a problemas no fígado e nas vias biliares, pois interagem mais estreitamente com esses órgãos. Em uma ecografia, os ecos reativos de alterações difusas no pâncreas assemelham-se à pancreatite aguda, uma vez que costumam ser sua consequência secundária.

DIPJ distrófico

As células glandulares saudáveis ​​são substituídas por tecidos gordurosos que são incapazes de desempenhar a função enzimática do pâncreas, o que leva à hipofunção da glândula. Para a lipodistrofia, que ocupa menos da metade do volume de toda a glândula, um tratamento medicamentoso é usado em conjunto com uma dieta. Se a lesão cobre mais da metade do órgão e seu trabalho é prejudicado, a intervenção cirúrgica é indicada. Alterações difusas no parênquima hepático e do pâncreas, em alguns casos, apresentam risco de vida.

Na estrutura desse órgão secretor, distinguem-se três elementos: corpo, cabeça e cauda, ​​com formato de pêra e adjacentes ao baço. Normalmente, sua largura é de 2 a 3 cm. Um ducto excretor passa por toda a glândula e o entupimento da veia hepática pode levar à DI pancreática da cauda, ​​os sintomas disso são que esta parte é compactada.

Cerca de um quarto de todas as doenças pancreáticas estão associadas a alterações difusas da cauda.No caso de pequenas lesões da cauda, ​​elas são tratadas com métodos conservadores. No caso de lesões profundas, é mostrada a remoção da cauda, ​​seguida pelo fechamento dos vasos sanguíneos.

Como são detectadas alterações difusas no fígado e no pâncreas?

Alterações pancreáticas difusas: fatais ou não

Qualquer paciente que tenha visto essa entrada no cartão ou no relatório de diagnóstico está interessado no que isso significa? Este termo refere-se à substituição de estruturas saudáveis ​​por tecido adiposo ou conjuntivo. Alterações pancreáticas difusas são detectadas por meio de diagnóstico instrumental. Mais frequentemente, é um ultra-som. Essa patologia não é um diagnóstico específico, mas apenas um termo que generaliza todo um grupo de patologias.

O que é difusão do pâncreas

O pâncreas (pâncreas) atua como o corpo responsável pela formação de enzimas. Então, ele é responsável por:

  • tripsina - uma enzima que decompõe proteínas, peptídeos,
  • lapizu - uma substância que faz parte da secreção pancreática, está envolvida na quebra de gorduras,
  • amilase - uma enzima envolvida no metabolismo de carboidratos,
  • protease - uma enzima responsável pelo processamento de proteínas,
  • lactase - converte lactose em outros componentes.

Por exemplo, com uma diminuição na ecogenicidade e um aumento simultâneo no próprio órgão, podemos falar sobre pancreatite aguda.

Graças ao ultrassom, você pode ver as alterações: detectar um contorno difuso do pâncreas, áreas “cegas”, que podem indicar necrose ou hemorragia.

Alterações difusas moderadas podem ocorrer com um aumento simultâneo de células adiposas no parênquima. Essa condição é chamada lipomatose, que pode ser precedida por:

  • diabetes mellitus
  • neoplasias
  • uma infecção

Compreendendo os mecanismos da patologia

Difusão é traduzida do latim como "interação". A mudança difusa é caracterizada pelo processo de substituição de uma célula de um órgão ou estrutura por outra. Isso significa que, nas proximidades de células saudáveis, os pacientes começam a se acalmar, provocando o desenvolvimento de um fenômeno patológico.

Alterações difusas no pâncreas são as seguintes:

  1. A ecogenicidade é expressa. Não há alteração no tamanho do órgão. Neste caso, alterações difusas no pâncreas se desenvolvem como uma lipomatose, isto é, o desenvolvimento de tecido normal em tecido lipídico. A negligência do processo leva à completa sobreposição do parênquima com a gordura.
  2. A densidade do eco é reduzida, o pâncreas é difusamente heterogêneo, os tamanhos aumentam moderadamente. A inflamação aguda se desenvolve em conexão com violações da excreção de enzimas digestivas. Como resultado, ocorre a auto-digestão, o inchaço do corpo, o parênquima muda. Pode ser detectado em crianças com desnutrição.
  3. Diminuição da densidade do eco, ecogenicidade, preservação de tamanhos. Fenômenos semelhantes ocorrem na pancreatite crônica. Tipicamente, as causas de seu desenvolvimento são devidas a processos metabólicos degenerativos em relação aos lipídios. Às vezes, é revelado o turbilhão do ducto excretor do suco pancreático.
  4. Defeitos ecoscópicos. Manifesta-se em um distúrbio da densidade da eco-estrutura (por exemplo, pode ser detectada condensação do pâncreas), substituição de células por células adiposas. É característico na presença de diabetes.
  5. Patologias ecográficas. Manifesta em ecogenicidade aumentada, densidade de eco aumentada, ausência de alterações no tamanho (ou uma ligeira diminuição). Esses desvios podem ser sintomas de fibrose, nos quais há uma substituição dos tecidos do órgão pelo conectivo. O defeito é causado por inflamação ou indigestão.
  6. Alterações distróficas difusas irreversíveis. Não há sinais característicos da doença. O desenvolvimento do processo patológico é moderado.
  7. Aumento da ecogenicidade de órgãos. Ocorre com o desenvolvimento de pseudocistos ou abscessos.
  8. Alterações difusas não homogêneas que caracterizam a eco-estrutura.Eles são um sinal de misturar parcelas.

Todos esses sinais de eco de alterações difusas no pâncreas, além do ultrassom, requerem análise de materiais biológicos (sangue, urina) e procedimentos diagnósticos adicionais. Apenas uma história completa ajudará a lidar com a doença que mudou o funcionamento normal do órgão.

Alterações difusas da cauda pancreática

"Cauda" é uma designação simbólica de uma das três partes da glândula adjacente ao baço, semelhante a uma pêra em forma. Suas alterações são geralmente causadas pelo bloqueio da veia hepática. A cauda se expande ou contrai. As lesões menores são corrigidas com medicação, enquanto as profundas requerem tratamento cirúrgico.

Alterações difusas na estrutura do pâncreas

No estado normal, a estrutura da glândula é semelhante à estrutura do fígado, tem uma aparência refinada e uniforme. O aparecimento de áreas compactadas indica processos distróficos, inflamação. Alterações difusas no pâncreas e no fígado são anormalidades comuns, devem ser detectadas e tratadas em tempo hábil. Como regra, eles têm um curso irreversível e podem reduzir a qualidade de vida ou reduzir significativamente sua duração.

Alterações pancreáticas difusas reativas

A expressão "alterações difusas no pâncreas de natureza reativa" significa que responde a processos dolorosos que ocorrem em um dos órgãos próximos. As doenças que causam alterações reativas incluem: colecistite, hepatite, colite ulcerosa, patologias esofágicas, úlcera duodenal. A reação do órgão é expressa na transformação de tamanho, parênquima.

Outros sintomas aparecem: dor, flutuações na concentração de açúcar no sangue, fenômenos dispépticos. Lesões semelhantes do pâncreas em crianças e adultos não necessitam de terapia especial: quando a doença subjacente é curada, a reação desaparece. Dada a intensidade das manifestações de lesões patológicas, são diagnosticadas alterações difusas pronunciadas ou moderadas no pâncreas.

Alterações difusas no parênquima pancreático

Muitas vezes encontrado na conclusão de um exame de ultra-som. Este não é um diagnóstico, mas apenas o resultado de um estudo que indica uma mudança uniforme nos tecidos da glândula, a ausência de cálculos, focos locais, cistos ou tumores. Ou seja, uma ecografia indica que são observadas alterações nos tecidos do parênquima, cuja causa deve ser esclarecida.

Os médicos distinguem as seguintes causas de alterações difusas no parênquima pancreático:

  1. A pancreatite (forma aguda) é uma doença grave que ocorre como resultado do fluxo de secreção prejudicado devido ao processo inflamatório no pâncreas. O resultado do processo acima se reflete em alterações difusas no parênquima da glândula.
  2. A pancreatite crônica é uma forma de inflamação do pâncreas. A doença pode ocorrer devido a processos patológicos na vesícula biliar e no fígado ou aparecer de forma independente.
  3. O diabetes mellitus é uma doença na qual o tecido das glândulas saudáveis ​​é substituído pelo tecido adiposo. Como resultado, alterações difusas no parênquima do órgão são visíveis no ultrassom.

Além de alterações difusas, ao examinar o parênquima pancreático, os médicos podem diagnosticar aumento da ecogenicidade do pâncreas. A ecogenicidade dos tecidos é considerada um dos indicadores importantes que permitem avaliar a densidade dos órgãos internos. Se o ultrassom revelou um aumento ou diminuição da ecogenicidade do parênquima pancreático, são necessários testes adicionais para determinar a causa dessa patologia.

Por via de regra, a ecogenicidade aumentada do parênquima pancreático ocorre quando:

  1. O processo inflamatório com a formação de fibrose - o tecido conjuntivo cura, e é por isso que as seções de tecido diferem em densidade. No ultra-som, isso dá um sinal hiperecoico. A doença pode ocorrer devido a distúrbios metabólicos.
  2. A lipomatose pancreática é a substituição de tecido saudável do parênquima do órgão por gordura. Devido a alterações, observa-se aumento da ecogenicidade.
  3. Pancreatite aguda e crônica - uma doença inflamatória leva ao inchaço do órgão, devido ao qual a densidade do parênquima muda, o que significa que a ecogenicidade do tecido aumenta.

Dieta para alterações pancreáticas difusas

  • Eficiência: efeito terapêutico após 14-21 dias
  • Datas: 1-6 meses / permanente
  • Custo do produto: 1600-1700 esfregar. por semana

Regras gerais

Alterações difusas no pâncreas (pâncreas) são detectadas por ultra-som e representam uma transformação da estrutura do tecido do órgão. A presença de alterações difusas / seu tipo significa a presença de doenças ou alterações relacionadas à idade no pâncreas. Normalmente, o tecido da glândula tem uma estrutura homogênea. Na presença de um processo inflamatório, o tecido fica inflamado, sofre degeneração fibrosa / gordurosa e nele são formadas áreas de calcificações e petrificações. Os sinais de eco de alterações difusas no tecido pancreático incluem: ecogenicidade aumentada / diminuída (imagem mais clara / mais escura), ecogenicidade aumentada com focos hiperecogênicos, contornos irregulares, aumento / redução do tamanho do pâncreas contra fibrose.

As principais formas de alterações difusas no pâncreas são:

  • Lipomatose (degeneração gordurosa), na qual o parênquima do pâncreas (pancreatócitos) é substituído pelo tecido adiposo (adipócitos). Mais comum em idosos e pessoas maduras com diabetes.
  • Fibrose - substituição difusa do tecido da próstata por estruturas conectivas.

Alterações difusas podem ser pronunciadas e moderadas. Alterações difusas moderadas no pâncreas são características dos estágios iniciais do processo de fibrose / lipomatose, em que a deficiência enzimática ainda não é observada. Acompanhado por queixas de náusea após comer, sensação de desconforto, dor periódica na região epigástrica, distúrbios periódicos das fezes. No ultra-som, havia uma densidade de eco irregular do pâncreas (uma combinação de áreas de aumento e diminuição). A principal causa de alterações difusas moderadas é pancreatite leve / edema do pâncreas. Para impedir a progressão das alterações, é prescrita uma dieta com terapia conservadora padrão.

Alterações difusas marcadas são observadas em condições mais avançadas (geralmente doenças crônicas) do órgão, ocorrendo com deficiência enzimática e são acompanhadas por distúrbios digestivos, deficiência de proteínas, perda de peso e violação das condições gerais. Mudanças difusas, como regra, não são mais reversíveis. O tratamento, além da terapia conservadora padrão, envolve a nomeação de terapia de reposição enzimática.

É geralmente aceito que alterações difusas são um sinal da presença de doenças inflamatórias da glândula (pancreatite aguda / crônica). O ultrassom revela um aumento difuso / local no tamanho do pâncreas, possui contornos irregulares nebulosos, redução da crogenicidade devido ao desenvolvimento de edema pronunciado, a ecoestrutura do tecido é heterogênea devido ao aparecimento de áreas hipoecóicas, que são zonas de necrose, ocorre expansão do ducto pancreático, em alguns casos pseudocistos. Em pacientes idosos, alterações difusas podem ser um sinal de substituição relacionada à idade do tecido normal da glândula por inclusões gordurosas do tecido conjuntivo.

A dieta com alterações difusas no pâncreas é um componente essencial do tratamento em todos os períodos de várias doenças pancreáticas. A nutrição clínica é baseada no clássico Dietas №5P e permite reduzir a estase nos ductos, suprimir a hiperfermentação no período agudo e melhorar os processos metabólicos no pâncreas, restaurar sua função na forma crônica. Nas formas agudas, os principais objetivos da dietoterapia são: interromper a produção de suco pancreático, que é alcançado pela fome e pelo estrito repouso no leito.

Nos primeiros dias, o paciente é mostrado apenas bebendo: chá de rosa mosqueta, chá fraco, água alcalina mineral (Borjomi, Essentuki n ° 17), água fervida à temperatura ambiente em pequenas porções. A fome, por via de regra, dependendo da condição do paciente é prescrita por 1-3 dias. Além disso, a expansão da dieta começa com a inclusão gradual de novos produtos, um aumento no volume de alimentos e seu conteúdo calórico com a observação cuidadosa da economia mecânica / química da glândula.

Dieta 5P Tem duas opções: a primeira opção é prescrita após um período de fome com pancreatite aguda ou uma exacerbação crônica. Esta opção de dieta elimina a dor e fornece o máximo de economia de pâncreas. A nutrição nesse período é de baixa caloria, não correspondendo às normas fisiológicas (80 g de proteínas, 40-60 g de gorduras e 200 g de carboidratos, calorias no nível de 1500-1600 kcal / dia) e pode ser prescrita por um período não superior a 4-6 dias. Refeições até 6 vezes ao dia, em porções muito pequenas (até 100 g).

A quantidade de líquido livre é de 1,5-2,0 l, o cloreto de sódio é de 8 a 10 G. A ração deve conter produtos de consistência semifluida e apenas 6-7 dias são permitidos para a introdução de pratos semi-viscosos. A secreção pancreática é menos estimulada pelos alimentos com carboidratos, e é por isso que eles são incluídos na dieta logo após a fome - purê de cereais, decocções de vegetais, sopas viscosas e sem sal, pão / bolacha brancos velhos, purê de frutas cozidas, chá fraco com açúcar, geléia feita com suco de frutas com xilitol. A partir de 2 a 3 dias, os alimentos protéicos são introduzidos na dieta: omelete a vapor de ovos de galinha, pasta de requeijão, cereais em leite diluído, sopa de nata com carne cozida, suflê de carne / peixe, costeletas a vapor de peru, frango e manteiga.

Ao melhorar o processo digestivo e reduzir a dor, a segunda opção é prescrita, que é uma nutrição fisiologicamente completa (100-120 g de proteína, 70 g de gordura e 350 g de carboidratos) em que um paciente com alterações difusas pronunciadas no pâncreas deve permanecer por um longo período (6 a 12 meses). ) A comida é cozida na forma fervida / a vapor, os pratos são limpos e depois - apenas picados. Comida fracionada, em pequenas porções. Nos casos de digestão insuficiente do componente proteico, o conteúdo proteico é temporariamente reduzido, enquanto o teor de carboidratos é aumentado. Extrativos / fibra (cogumelos de peixe, caldos de carne e ossos, bebidas que contêm álcool, frituras, vegetais crus / frutas) são completamente excluídos. Sal - até 6 g É mostrado que os alimentos que inibem as enzimas proteolíticas estão incluídos na dieta: clara de ovo, batata, aveia, soja.

Durante o período de remissão, a lista de produtos se expande, os vegetais já estão incluídos na forma crua, como pratos independentes, bem como na composição de vinagretes, saladas, acompanhamentos. As sopas são cozidas cruas, para melhorar o sabor, use molhos preparados de forma independente. Na fase de remissão, é necessário tomar águas minerais de mineralização média com um curso de 3 semanas. Na pancreatite crônica, a dieta é mantida por toda a vida.

A dieta com alterações difusas no pâncreas também fornece dias de jejum uma vez por semana em produtos que não são contra-indicados (aveia, queijo cottage, queijo cottage, frutas, suco de arroz, melancia, abóbora). Para eliminar distúrbios digestivos, os pacientes são prescritos Creon. No processo de tratamento, você pode incluir remédios populares (uma bebida de chicória, uma decocção de bardana, uma bebida de aveia). Com patologia combinada (colecistopancreatite, gastrite, gastroduodenite) os alimentos da dieta são ajustados de acordo com a dieta para uma doença específica.

Alterações pancreáticas difusas crônicas

Pode não se manifestar por um longo tempo. Alterações crônicas indicam a presença de doenças crônicas e processos inflamatórios. A causa desse tipo de alteração pode ser pancreatite crônica, fibrose ou lipomatose.

A lipomatose é uma doença na qual tecidos saudáveis ​​da glândula são substituídos por células adiposas. Esta doença geralmente afeta pessoas com diabetes.

Se, além das alterações difusas crônicas no pâncreas, uma ecografia revelou aumento da ecogenicidade, mas o tamanho normal da glândula é preservado, isso é fibrose. A doença pode ser causada por distúrbios metabólicos ou aparecer como resultado da fusão do tecido conjuntivo.

Alterações difusas crônicas no pâncreas indicam alterações uniformes no órgão. Tais resultados de um exame de ultra-som não são um diagnóstico, mas atuam como um sinal para o médico, que deve encontrar a causa das alterações e eliminá-la.

Alterações reativas difusas pancreáticas

Alterações secundárias médias, isto é, a resposta do órgão à doença. Alterações reativas difusas podem ocorrer com qualquer doença do sistema digestivo, uma vez que as funções de todos os órgãos e sistemas estão interconectadas. Porém, na maioria das vezes, as mudanças reativas indicam problemas no fígado ou nas vias biliares, pois é com elas que o pâncreas tem a conexão mais próxima.

Alterações reativas podem indicar a presença de pancreatite secundária, que ocorre em pacientes com doenças do sistema digestivo, devido a excessos regulares, comer fritos, condimentados, salgados. A patologia também ocorre com alguns distúrbios enzimáticos congênitos e devido ao uso prolongado de drogas ou anormalidades no desenvolvimento do trato biliar.

Em uma ecografia, as alterações reativas difusas no pâncreas são semelhantes ao quadro da pancreatite aguda. Uma das seções do órgão é aumentada, na maioria das vezes a cauda, ​​há uma expansão do ducto da glândula e alterações nos tecidos do órgão. No DI secundário, o paciente aguarda um diagnóstico completo do trato gastrointestinal para determinar a real causa dessa patologia.

Produtos permitidos

A dieta para alterações difusas no pâncreas inclui:

  • Sopas em caldos de legumes com cereais permitidos ralados e bem cozidos, temperados com manteiga, creme de leite e creme.
  • Cereais (trigo sarraceno, sêmola, aveia, arroz) cozidos na água e levados ao chão com uma consistência viscosa.
  • Polpa cozida / amassada, cenoura, batata, abóbora, couve-flor, ervilha, beterraba. Mais tarde - cenouras cruas / abóboras e pepinos ralados, tomate pelado.
  • Peixe com baixo teor de gordura (carpa, poleiro, pescada, bacalhau, poleiro, lúcio, escamudo), cozido no vapor / cozido em um pedaço ou sob a forma de costeletas.
  • Carne vermelha magra (carne de bovino), carne de coelho, frango na forma de produtos picados (almôndegas, almôndegas, suflê, almôndegas), cozidos no vapor. Frango / coelho cozido pode ser cozido em pedaços.
  • Produtos lácteos com baixo teor de gordura. Só é permitido adicionar leite aos pratos. Creme de leite - como tempero para pratos, queijo suave na forma ralada.
  • Omeletes de proteínas (1 ovo por dia).
  • Pão de trigo velho, biscoitos de biscoito.
  • Molhos caseiros em caldo de legumes com a adição de creme de leite / leite.
  • Frutas - no período agudo, assados ​​maçãs doces. Frutas secas. Mais tarde - geléia, mousse, doce. Na fase de remissão, são permitidas frutas e bagas crus limitadas na forma de purê.
  • Após a exacerbação, as gorduras são administradas com muito cuidado, primeiro - manteiga e depois - girassol refinado.

Alterações focais difusas no pâncreas

Eles podem indicar que existem processos tumorais no corpo, cistos ou pedras. Isso é causado por alterações locais, ou seja, focais no tecido pancreático. Processos semelhantes podem ocorrer devido a doenças de ambos os órgãos do trato gastrointestinal e do pâncreas.

Alterações focais difusas requerem pesquisa adicional e tratamento obrigatório. Uma vez que indicam um processo patológico no corpo. Pacientes com esses achados ultrassonográficos devem estar preparados para tratamento a longo prazo e possivelmente cirúrgico.

Alterações fibróticas difusas no pâncreas

Isso é uma cicatriz, ou seja, um espessamento do tecido conjuntivo. Essa patologia pode ocorrer devido a distúrbios metabólicos no corpo, processos inflamatórios crônicos, intoxicação viral ou alcoólica ou danos ao sistema hepatobiliar. Ao realizar o ultrassom, as alterações fibróticas são caracterizadas pelo aumento da ecogenicidade e densidade dos tecidos orgânicos. Nem sempre é observada uma diminuição no pâncreas, pois uma alteração no tamanho de um órgão depende do grau de disseminação das alterações teciduais.

Alterações fibrosas podem indicar o desenvolvimento de fibroma nos tecidos do órgão. O fibroma é um tumor benigno que se forma a partir do tecido conjuntivo, não produz metástases e cresce muito lentamente. A doença não causa sintomas dolorosos, portanto, só pode ser diagnosticada com ultra-som. Mas se o tumor é grande, isso leva à compressão do pâncreas e órgãos localizados nas proximidades.

Dependendo da localização do fibróide no pâncreas, ocorrem alguns sintomas:

  1. Dor no hipocôndrio esquerdo ou direito, no umbigo e epigástrio é um sinal de dano pancreático.
  2. Se o fibróide estiver localizado na cabeça do pâncreas, devido ao ducto biliar restrito, aparecerão sintomas de icterícia.
  3. Se o fibroma comprime o duodeno, o paciente desenvolve sintomas semelhantes à obstrução intestinal (náusea, vômito).

Alterações fibrosas requerem tratamento. O tratamento pode ser realizado de forma conservadora, ou seja, com medicamentos e com a ajuda da intervenção cirúrgica. Além do tratamento, o paciente aguarda um longo período de recuperação, adesão a um estilo de vida saudável e apenas alimentos dietéticos (tabela 5 da dieta).

O que são mudanças difusas

Alterações difusas são um processo de interpenetração de diferentes tipos de células em um tecido, misturando áreas saudáveis ​​e patológicas. Além disso, se nem todo o parênquima estiver envolvido no processo, ele será chamado focal e não difuso.

O pâncreas afeta diretamente o processo de digestão. Distingue três partes principais - cabeça, corpo e cauda. As células das quais ele é constituído são peculiares apenas a esse órgão e possuem uma certa estrutura. Por várias razões, incluindo alterações relacionadas à idade, o processo de morte do tecido pode começar e, em seu lugar, ocorre infiltração gordurosa ou a formação de uma camada conectiva.

Devido às características estruturais de diferentes tipos de células durante o ultra-som, é obtido um quadro de ecogenicidade mista, apesar do fato de que o tamanho total do pâncreas não é perturbado. Doenças do sistema hepatobiliar, distúrbios endócrinos e suprimento insuficiente de sangue levam a essas transformações patológicas.

O perigo da degeneração celular é que o processo afeta a parte glandular, que desempenha as principais funções do órgão. Assim, alterações difusas não são um diagnóstico, mas uma manifestação de uma patologia que pode ser vista nos resultados de um exame ultrassonográfico.

Alterações distróficas pancreáticas difusas

Este é um processo irreversível, associado à falta de tecido adiposo, que leva a alterações patológicas no órgão.As células pancreáticas normais são substituídas por células gordurosas, que são incapazes de funcionar de forma estável e suportam o trabalho do corpo. Alterações distróficas difusas são lipodistrofia.

A degeneração gordurosa ocorre devido à morte de células orgânicas, sob a influência de vários fatores (processos inflamatórios, pancreatite crônica, tumores). Devido a essas patologias, o corpo não é capaz de restaurar sua integridade. Se a distrofia surgiu devido a um mau funcionamento e o número de células mortas não é grande, então uma pessoa pode nem estar ciente de tais processos no corpo. Uma vez que o pâncreas irá funcionar corretamente. Se a distrofia progredir e as células formarem focos, isso levará a uma interrupção no pleno funcionamento do pâncreas.

A sintomatologia exata que ajudaria a diagnosticar alterações distróficas difusas está ausente. Como regra, problemas são detectados durante o exame ultrassonográfico. Tudo isso sugere que qualquer anormalidade no pâncreas deve ser uma ocasião para um diagnóstico aprofundado, que pode confirmar ou refutar as alterações distróficas difusas.

Pequenas alterações

Quando o grau de transformação do tecido não é pronunciado, não há sintomas e a disfunção orgânica não ocorre. Essa condição pode levar a:

  1. Nutrição inadequada.
  2. Doença inflamatória recente.
  3. Aumento ou diminuição da função secretora, que provocam situações estressantes e depressão.
  4. Alguns medicamentos.

Freqüentemente, essas são mudanças temporárias que não causam preocupação e não trazem consequências.

Alterações difusas moderadas

Com uma severidade média de alterações no parênquima, os sintomas também podem estar ausentes. No entanto, com o ultrassom, o inchaço também é detectado, o que indica causas mais graves da patologia. Uma condição semelhante pode causar:

  • Inflamação
  • Pancreatite aguda.
  • Problemas na vesícula biliar.
  • Violações do duodeno.
  • Hepatomegalia.

Quando é diagnosticado um grau moderado de conversão do parênquima pancreático, são necessários exames adicionais para determinar a causa raiz da patologia.

Alterações difusas no pâncreas da cauda

Este é um processo patológico que requer diagnóstico detalhado. O pâncreas possui três partes principais: cabeça, corpo e cauda, ​​que já é a parte principal. A cauda tem uma forma curvada em forma de pêra, sobe e se ajusta confortavelmente ao baço. A largura ideal da cauda do pâncreas é de 20 a 30 mm. O ducto da cauda está localizado na cauda, ​​que tem um comprimento de 15 cm e passa por todo o corpo do órgão.

Como regra, alterações difusas na cauda do pâncreas indicam sua compactação ou expansão. Essas alterações ocorrem devido à perviedade da permeabilidade da veia esplênica. No contexto dessas alterações, a hipertensão portal da forma renal pode se desenvolver.

Alterações difusas na cauda do pâncreas ocupam um quarto de todas as doenças do órgão. Examine a cauda através do baço ou do rim esquerdo. Mas tratar a patologia da cauda é muito difícil. Como regra, o paciente é submetido a cirurgia para remover a cauda pancreática e bloquear os vasos sanguíneos do órgão para manter seu funcionamento normal. Com alterações difusas menores ou moderadas, é possível terapia conservadora e monitoramento regular.

Alterações não expressas

Muitas vezes, o problema é descoberto por acaso ou quando o paciente é submetido a um exame abrangente de todo o sistema digestivo. Não há sintomas específicos de disfunção pancreática, mas o paciente pode ter outras queixas. Eles aparecem devido ao fato de que a causa das alterações difusas é um mau funcionamento do fígado, da vesícula biliar ou de outros órgãos.

Essa condição também pode ser uma conseqüência de uma doença infecciosa anterior ou o resultado de uma predisposição genética.Como regra, mudanças não expressas não afetam o trabalho do próprio corpo.

Alterações parenquimatosas difusas no pâncreas

Ocorrem em várias doenças do trato gastrointestinal, e especialmente no pâncreas. Note-se que todos os órgãos do corpo humano são divididos em parênquima e oco. Os órgãos parenquimatosos são preenchidos com o tecido principal, ou seja, o parênquima. O pâncreas e o fígado são os órgãos parenquimatosos da cavidade abdominal, pois contêm tecido glandular, dividido em muitos lóbulos por septos do tecido conjuntivo e coberto com uma cápsula.

O funcionamento do pâncreas, trato biliar e fígado estão interconectados, pois todos esses órgãos possuem um único ducto para a retirada do suco biliar e pancreático. Quaisquer anormalidades no fígado aparecem no pâncreas e vice-versa. Alterações difusas no parênquima pancreático ocorrem devido a doenças metabólicas-distróficas, que levam à substituição do tecido normal do órgão por tecido adiposo ou conjuntivo.

Como regra, ocorrem alterações difusas do parênquima em pacientes idosos, pacientes com diabetes mellitus e em pessoas com doenças do sistema cardiovascular e distúrbios circulatórios no pâncreas. As alterações podem ser causadas por doenças do fígado, órgãos do trato gastrointestinal, trato biliar ou doenças infecciosas e inflamatórias prolongadas que causam distúrbios metabólicos.

Alterações parenquimatosas ocorrem em pacientes jovens e de meia idade. A patologia é causada por pancreatite aguda. Alterações podem deixar uma marca nas habilidades funcionais do pâncreas e causar dor. Para determinar as consequências de alterações difusas, é necessário realizar um exame do paciente e análises adicionais.

Difusão tem os seguintes tipos:

  • o aparecimento de pequenas patologias,
  • difuso moderado
  • não expresso
  • patologias difusas pronunciadas.

Alterações difusas pronunciadas

Um grau bastante severo de dano ao parênquima é observado no caso de uma doença inflamatória do pâncreas - pancreatite. No curso agudo, eles são mais pronunciados do que no crônico. Substituir uma grande área por outras células leva ao mau funcionamento do órgão e ao aparecimento de sintomas de desconforto no paciente. Como regra, essas dores são tão desagradáveis ​​que uma pessoa é forçada a consultar um médico.

Alterações pancreáticas difusas e pancreatite

Várias doenças pancreáticas causam várias alterações difusas no pâncreas. Por exemplo, na pancreatite aguda, de acordo com o ultrassom, são registrados um aumento no tamanho da glândula, mudanças difusas na densidade reduzida e diminuição da ecogenicidade, ou seja, a capacidade do tecido de refletir o som é reduzida, aparentemente devido à inflamação aguda.

Na pancreatite crônica, o tamanho da glândula é normal, mas alterações difusas na densidade e ecogenicidade reduzidas.

Para diagnosticar de maneira confiável a pancreatite, além do ultrassom, é necessário um exame adicional do paciente. Você pode ler mais sobre isso no artigo "Diagnóstico de pancreatite"

Recomendações: O tratamento da pancreatite é realizado sob a supervisão de um gastroenterologista. Na pancreatite crônica, a dieta está no centro do tratamento. Para pancreatite crônica fora do estágio agudo, dieta nº 5p. Para obter mais informações sobre a dieta nº 5p, leia o título "Dieta para pancreatite" e um menu de exemplo para pancreatite

A pancreatite aguda é tratada em um hospital.

Alterações difusas no pâncreas com lipomatose e fibrose pancreática

A lipomatose pancreática é uma substituição parcial do tecido corporal por gordura. A lipomatose pancreática é observada em pacientes com diabetes e idosos. Alterações difusas no pâncreas, aumento da ecogenicidade e tamanho do pâncreas são normais.
A fibrose é uma densificação dos tecidos conjuntivos (cicatrizes), que geralmente se manifesta após processos inflamatórios. Na fibrose pancreática, de acordo com o ultra-som, são registradas uma diminuição no tamanho da glândula ou da norma, alterações difusas no aumento da densidade e aumento da ecogenicidade. A fibrose pancreática ocorre como consequência de processos inflamatórios na glândula ou como resultado de distúrbios metabólicos.

Conclusão: Alterações difusas no pâncreas podem ser o resultado de processos inflamatórios crônicos, alterações associadas a alterações escleróticas da idade, infiltração gordurosa.

O diagnóstico é feito apenas pelo médico com base em um exame abrangente. Alterações difusas no pâncreas são apenas o resultado do ultrassom, o que requer esclarecimentos sobre a natureza dessas alterações, ou seja, pesquisa adicional.

Alterações pancreáticas

Normalmente, o pâncreas tem uma estrutura homogênea. Quando a densidade muda para cima ou para baixo, eles falam do aparecimento de ecos de mudanças difusas.

Tais alterações são classificadas da seguinte forma:

  • A ecogenicidade é aumentada. As dimensões do órgão permanecem inalteradas, mas o tecido das paredes é parcialmente substituído por gordura. Esta condição ocorre com a lipomatose (degeneração gordurosa da glândula).
  • Hypeecogenicidade. A maioria dos tecidos funcionais saudáveis ​​na glândula é substituída por conjuntiva, o tamanho da glândula está dentro dos limites normais. Isso é característico da fibrose.
  • A densidade do eco é aumentada. Observa-se um aumento difuso da glândula, a estrutura é heterogênea. Isso acontece com pancreatite aguda.
  • A densidade do eco é reduzida. A estrutura é heterogênea, mas uma mudança no tamanho do órgão não é observada. Este sintoma indica pancreatite crônica.

Se a estrutura do pâncreas é difusamente heterogênea, isso indica patologias graves e pequenas avarias na glândula. Tudo depende do grau de alteração, do estado dos vasos sanguíneos, dos dutos e da uniformidade das fronteiras.

Alterações hepáticas

Pacientes com histórico de doenças como hepatite, cirrose, hepatose e câncer sofrem alterações difusas do fígado.

A hepatomegalia é expressa em um aumento hipertrofiado no tamanho do órgão (mais de 12 cm). Os seguintes desvios são observados:

  • Mudança na estrutura, aparência de tubérculos, bordas irregulares.
  • Degeneração gordurosa.
  • Metabolismo prejudicado nas células do fígado.
  • Processos anormais nos ductos biliares (estreitamento, estenose).

Se alterações patológicas também passam para o baço, há hipertrofia das células do órgão, denominada hepatoesplenomegalia.

O envolvimento do baço no processo é explicado por laços estreitos das funções de ambos os órgãos, sua proximidade um do outro.

A hepatomegalia é de gravidade variável:

  • Moderado. A estrutura e as dimensões variam um pouco, desviam-se um pouco da norma.
  • Expressa. Órgão aumenta em mais de 10 cm.
  • Parcial Alterações de tamanho são observadas em apenas um lobo do fígado.

O que é alteração pancreática difusa (DIP)

Para entender o que é uma mudança difusa no pâncreas (DIP), devemos lembrar que a difusão é um fenômeno físico-químico da mistura espontânea de substâncias.

O termo é derivado de lat. difusão - "distribuição, dispersão". Este fenômeno é freqüentemente encontrado na medicina.

Ao estudar a difusão, os médicos entenderam melhor o estado do corpo humano e a essência dos processos dolorosos encontrados nele.

Os cientistas descobriram que as mudanças difusas são um fenômeno complexo que se caracteriza pelo intercâmbio completo de células orgânicas formadoras saudáveis ​​e transformadas.

Comentários sobre o estudo ultrassonográfico: “alterações difusas no pâncreas” não são uma indicação do diagnóstico, mas uma indicação de sua lesão patológica: compactação, alterações no tamanho.

O parênquima é substituído pelo tecido conjuntivo, a gordura se acumula nas células e o órgão deixa de funcionar normalmente.

Alterações difusas do estágio no pâncreas

Existem quatro estágios de uma condição patológica.

1. Há mudanças, mas são insignificantes: não há sintomatologia, o número de células transformadas é pequeno. As alterações são temporárias, causadas por inflamação, dieta desequilibrada, tensão nervosa, alguns medicamentos.

2. As alterações são moderadas: alterações parenquimatosas moderadas, os sintomas podem estar ausentes, o ultrassom mostra inchaço da glândula. A condição é provocada por inflamação, pancreatite, doenças do duodeno 12, vesícula biliar.

3. Alterações não expressas: uma lesão da glândula é detectada subitamente quando é realizada uma ultrassonografia do sistema digestivo. Não há sinais de doença das glândulas. A condição patológica é geneticamente causada ou causada por infecção.

4. Alterações expressas: uma alteração grave no parênquima causada por pancreatite. A disfunção orgânica causa dor intensa.

Após o ultra-som, um exame adicional é prescrito para determinar a causa da doença, o estágio de desenvolvimento da patologia e, em seguida, as opções de tratamento são selecionadas.

Sintomas de alterações pancreáticas difusas

Os sintomas da mudança são determinados pelas doenças que os causaram. Normalmente, o paciente tem síndrome dispéptica, dor no lado esquerdo atrás do esterno, fadiga. Uma sintomatologia semelhante se manifesta em algumas doenças e condições patológicas:

  • pancreatite crônica e aguda (indigestão, dor, náusea, pressão arterial baixa, pulso frequente, vômitos profusos),
  • fibrose (no início, não há sintomas, há dores no hipocôndrio no lado esquerdo, vômitos freqüentes, diarréia, uma pessoa perde peso rapidamente. Quando as reservas de proteínas no corpo estão esgotadas, ela alergia, a síntese de insulina piora, aparece o diabetes),
  • lipomatose (a gordura desloca as células saudáveis, a glândula não pode funcionar completamente - significa que o corpo não possui as substâncias necessárias para o seu funcionamento normal. Com a doença progredindo constantemente, o parênquima é comprimido pelo acúmulo de gordura, que causa dor e disfunção orgânica.

Se esses sintomas ocorrerem, a automedicação é contraindicada. Pode ser necessária hospitalização.

Ecos de ultra-som de alterações difusas no pâncreas

O ultrassom revela a localização exata das áreas afetadas do órgão, a duração da patologia, bem como vários sinais de eco de alterações difusas no pâncreas:

  • Ecogenicidade pronunciada, a invariância do tamanho da glândula. O tecido funcional é substituído por lipídios. Se as medidas não forem tomadas a tempo, a gordura pode bloquear completamente o parênquima.
  • Diminuição da densidade do eco, um ligeiro aumento no tamanho do órgão. Diagnosticado com edema, alterações difusas no parênquima pancreático, áreas inflamadas e autodigestão como resultado da excreção diminuída de enzimas.
  • Baixo nível de ecogenicidade, a invariância do tamanho do órgão (sintomas típicos de uma forma crônica de pancreatite).
  • Imperfeições ecoscópicas, manifestadas no deslocamento de tecidos saudáveis ​​por lipídios, alterações na densidade de eco do órgão. Sinais indicam diabetes.
  • Patologias ecográficas: aumento da densidade do eco, preservação (ou ligeira redução) do tamanho da glândula. Tais mudanças confirmam o desenvolvimento de fibrose no contexto de distúrbios digestivos ou inflamação.
  • Mudança distrófica, que é irreversível. Não há sintomas expressos da doença, a patologia se desenvolve uniformemente.
  • Aumento da ecogenicidade da glândula - evidência de patologia (abscesso, pseudocistos).
  • A heterogeneidade das mudanças na eco-estrutura do órgão é um sinal de mistura de seus fragmentos.

Os sinais de eco diferem entre si, mas sempre são um pré-requisito para um exame completo.

Tratamento medicamentoso

O tratamento abrangente inclui a nomeação de vitaminas, medicamentos para melhorar o metabolismo, oligoelementos, certos hormônios e aminoácidos.

A escolha de fundos adicionais depende da doença que provocou a patologia.

  • Quando o diabetes é detectado, são prescritos medicamentos que estabilizam os níveis de açúcar no sangue.
  • A pancreatite é tratada em um hospital com medicamentos que aliviam dores e cãibras, preparações enzimáticas.
  • Na colecistite, são prescritos antibióticos, anti-inflamatórios, coleréticos e antiespasmódicos.
  • Para tratar a inflamação do duodeno, são utilizados antibióticos e medicamentos que reduzem a acidez do suco gástrico.

Os meios são prescritos quando pequenas alterações difusas na glândula são detectadas e não há contra-indicações.

Cirurgia

Com formas graves de lipomatose ou fibrose, algumas partes da glândula podem estar sujeitas a alterações necróticas (morte do tecido no corpo).

No futuro, não produzirá hormônios. Para remover essa parte do órgão, recorra à intervenção cirúrgica. Também é necessário se ainda não houver necrose, mas a patologia afetou a maior parte do órgão.

Tratamentos complementares e alternativos em casa

O tratamento com remédios populares para alterações difusas no pâncreas é realizado ao revelar alterações moderadas em sua estrutura. Muitas vezes, eles estão relacionados à idade do paciente.

O tratamento em casa é de grande benefício: usando métodos alternativos, você pode limpar os ductos da glândula de toxinas e placas de colesterol que não são excretadas pelos medicamentos.

Ultra-som do pâncreas

Ao realizar o ultrassom, aparecem pequenos desvios da norma de reflexão das ondas ultrassônicas; na imagem resultante do ferro do pâncreas, parece mais claro que o normal. A condição não causa problemas clínicos especiais. Em maior medida, uma violação no processo metabólico e o aparecimento de patologia provoca nervosismo, estresse e desnutrição.

Quanto à ocorrência de um estado degenerativo do pâncreas, esse fenômeno em si é uma ação irreversível na qual os tecidos do órgão são afetados e as células saudáveis ​​morrem. Distrofia com inflamação do pâncreas substitui gradualmente células saudáveis ​​por células adiposas, o que causa necrose pancreática.

Nutrição e Suplementos

A dieta com uma mudança difusa no pâncreas é a chave para o funcionamento normal do sistema digestivo.

Ao ajustar a dieta, você pode melhorar a condição do paciente.

Os pacientes são recomendados com nutrição fracionada, na qual você precisa comer com frequência, mas em pequenas porções.

Recomendamos a dieta clássica número 5P, que tem 2 opções.

1. Na pancreatite aguda, nos primeiros dias o paciente só pode tomar caldo de rosa mosqueta, água fervida ou água mineral Essentuki nº 17, nº 4, Borjomi, em pequenas doses. Após 3 dias, a primeira opção de dieta é permitida: coma alimentos de baixa caloria até 6 vezes ao dia em porções de até 100 g.

Nos primeiros dias, eles dão sopas mucosas, cereais líquidos, caldos de legumes, biscoitos, chá fraco. A partir do terceiro dia, acrescentam omeletes a vapor, cereais em leite diluído, queijo cottage, costeletas a vapor - produtos proteicos. Após a melhoria, eles mudam para a segunda versão da dieta.

2. O paciente recebe nutrição fracionada que contém proteínas (até 120 g), gordura (até 70 g) e carboidratos (até 350 g). Prefira pratos cozidos ou no vapor. Os produtos são servidos na forma de purê ou picado.

Caldos gordurosos, vegetais crus e também pratos fritos, condimentados e defumados devem ser completamente eliminados. O sal é limitado. Recusar completamente o álcool e fumar.

Essa dieta é prescrita por 6 a 12 meses. Quando a condição melhora, pratos sem purê, legumes frescos e molhos são adicionados à dieta. Durante a remissão, eles bebem água mineral em cursos.

É possível realizar dias de jejum (uma vez a cada 7 dias) usando produtos permitidos: queijo cottage, abóbora, aveia, melancia, arroz. Nas doenças crônicas, a dieta deve ser seguida por toda a vida. Produtos recomendados:

  • frutos do mar e peixes com baixo teor de gordura,
  • queijo cottage
  • Frutas e legumes frescos
  • pratos leves de aves e carne magra,
  • pão branco.

Das bebidas, recomenda-se o uso de água fervida quente, chá quente fraco, geléia não muito doce e frutas cozidas, bebidas com leite azedo.

Os médicos consideram as batatas e a aveia produtos especialmente úteis para as patologias pancreáticas. Eles têm uma propriedade envolvente, aliviam a inflamação, ajudam a digerir os alimentos. Recomenda-se ferver e assar batatas sem sal e especiarias, beber suco de batata crua.

O leite é preparado a partir de aveia em bruto. Para preparar 150 gramas de aveia, adicione 1, 5 litros de água fria. Em fogo baixo, aguente 60 minutos.

Depois disso, a aveia é esmagada e fervida novamente por cerca de 15 minutos, e o caldo deve ser resfriado e filtrado.

O "leite de aveia" resultante é bebido 3 vezes durante o dia, 100 ml 30 minutos antes das refeições.

Ervas

A medicina herbal é um assistente confiável no tratamento de muitas doenças e condições patológicas. Em condições patológicas do pâncreas, recomenda-se preparar várias infusões de ervas.

  • Combine 3 partes de sementes de hortelã e endro, 2 partes de frutas immortelle e espinheiro, 1 parte de camomila. Despeje 250 ml de água fervente na mistura, tampe e deixe ferver por 15 minutos. Arrefecer e filtrar. Tome 50 ml antes das refeições 2 vezes ao dia.
  • Conecte 1 colher de chá. Zheleznyak, 2 colheres de chá. sálvia e 3 colheres de chá calêndula Despeje 250 ml de água fervente na mistura. É bom insistir. Para filtrar. Beba 150 ml de manhã e à noite.
  • Tome 1, 5 mesa. eu sementes de elecampane, coentro, hypericum, endro e hortelã. A mistura é derramada com 2 litros de água fervente, insista dia. Beba 2 mesas. eu antes de comer.

Alguns médicos recomendam tomar própolis. Um pequeno pedaço de própolis pode ser mastigado várias vezes ao dia por 5 a 7 minutos. Ou 15 ml de tintura de própolis para farmácia são misturados com meio copo de água. A mistura é bebida de manhã e à noite antes das refeições. Para que o tratamento à base de plantas seja benéfico, ele deve ser contínuo e sistemático.

O tratamento com remédios populares para alterações difusas no pâncreas não substitui ou cancela a medicação prescrita por um médico, mas a suplementa.

Deve-se tomar cuidado com o tratamento à base de plantas: qualquer uma delas, e mais ainda a coleta de ervas, pode causar alergias ou consequências indesejáveis ​​para o corpo.

Previsão

O prognóstico do desenvolvimento da condição do paciente depende de um exame minucioso. As lesões difusas focais indicam o desenvolvimento de patologia. Após um exame adicional, o médico prescreve tratamento terapêutico ou cirúrgico.

Se a patologia é detectada em um estágio inicial, o tratamento é iniciado em tempo hábil, o prognóstico é geralmente favorável, a função da glândula pode ser mantida. Exames físicos regulares e dieta ajudam a manter o funcionamento normal da glândula.

Mudanças difusas no pâncreas não são a sentença final, mas a evidência objetiva dos processos naturais que ocorrem no corpo humano. Em muitos casos, revisando as preferências de estilo de vida e gosto, abandonando más inclinações, uma pessoa pode ajudar a si mesma.

Para monitorar o desenvolvimento da condição, você deve consultar regularmente um médico.

Quais são as causas e sintomas de alterações difusas

Alterações difusas são geralmente causadas por fatores como:

  • dependência de drogas ou álcool,
  • problemas nutricionais, por exemplo, o uso de um grande número de alimentos doces, salgados e picantes (em crianças isso geralmente acontece se eles costumam comer salgadinhos, curies, alimentos com muitos corantes na composição),
  • hereditariedade
  • tensões nervosas frequentes,
  • doenças crônicas do sistema digestivo,
  • tomar um grande número de drogas e sem a supervisão de um médico,
  • idade

O quadro clínico dessa patologia depende da doença, o que levou a alterações difusas.

Os sinais mais comuns incluem:

  • dor
  • fadiga
  • distúrbios dispépticos.

Os sintomas restantes são específicos para cada doença individual:

No caso de pancreatite aguda, a condição do paciente é bastante séria e as alterações difusas são de natureza reativa. Pode ocorrer diarréia, a temperatura do corpo sobe para +40 graus, o vômito aparece e depois não ocorre uma sensação de alívio. A dor é cortante na natureza. Nesse caso, os analgésicos geralmente são prescritos. Outros sintomas podem aparecer ao mesmo tempo: fraqueza, fadiga, problemas cardíacos.

Na pancreatite crônica, que na maioria dos casos ocorre sem sintomas, o quadro clínico geralmente se manifesta em períodos de exacerbação. As pessoas com esta doença geralmente sofrem de distúrbios nas fezes, depois de comer um arroto "podre" pode aparecer, a dor é notada no lado esquerdo.

A lipomatose ocorre quase sem sintomas, mas com o tempo, a dor pode aparecer, a condição geral piora.

Se falamos de mudanças difusas no tipo de esteatose, elas são irreversíveis, pois o pâncreas perde suas próprias células na doença. Um resultado favorável depende completamente do grau de dano ao pâncreas. Se o grau de dano for superior a 50%, os médicos podem prescrever cirurgia. Com esta doença, o paciente se sente fraco, ele é atormentado por vômitos, náuseas e distúrbios intestinais.

Nas crianças, essas patologias podem ser adquiridas ou congênitas. Se falamos de uma anomalia adquirida, ela geralmente está associada à presença de parasitas no corpo. Além disso, o problema pode ser causado pelo uso de doces e salgados em grandes quantidades.

Patogênese

Alterações difusas no pâncreas não são consideradas como diagnóstico independente, mas indicam a presença de uma condição patológica, ou seja, são seu sintoma separado. A presença de alterações difusas indica uma diminuição ou aumento no tamanho do pâncreas ou compactação de tecidos e estrutura de órgãos. As alterações podem aparecer devido a processos inflamatórios, ser um sinal de envelhecimento, ocorrer como resultado da esclerotização.

Nem sempre as alterações difusas (IC) são acompanhadas pela doença subjacente. Ou seja, não existe uma doença como alterações difusas no pâncreas, mas após um exame de ultra-som, o médico pode escrever uma conclusão semelhante. Isso indica alterações no órgão, na maioria das vezes distrófico-metabólico.

O pâncreas ou pâncreas (pâncreas) é a maior glândula de secreção interna e externa. O órgão está localizado no espaço retroperitoneal, na parede posterior da cavidade abdominal. O pâncreas tem um corpo, uma cabeça e uma cauda, ​​e na frente é coberto por um estômago.

A parte mais larga do órgão é a cabeça do pâncreas. Está localizado à direita da coluna vertebral e entra na curva interna do duodeno. O corpo do órgão está localizado na frente da coluna vertebral e, no lado esquerdo, passa lentamente para a cauda.

O pâncreas possui um ducto que vai da cauda à cabeça e se estende até a parede do duodeno. A glândula se funde com o ducto biliar, mas em alguns casos, os ductos saem para o duodeno por conta própria.

O ferro produz suco pancreático, que consiste em enzimas que digerem proteases, lipases e amilases, ou seja, desempenha uma função exócrina. Nos tecidos do órgão estão as glândulas endócrinas que produzem insulina, o que ajuda a glicose a ser absorvida pelos tecidos.

Características do tratamento de patologia

Somente um médico pode prescrever um regime de tratamento após a realização de um diagnóstico abrangente.Por exemplo, na pancreatite crônica na ausência de sintomas, o paciente recebe conselhos gerais: dieta adequada, monitoramento ambulatorial duas vezes por ano.

A terapia para pancreatite aguda é realizada exclusivamente em condições estacionárias, uma vez que esta doença é bastante perigosa. Um ponto importante é a eliminação da dor, que pode afetar adversamente outros órgãos. Na maioria dos casos, não é possível prescindir de analgésicos narcóticos fortes como a morfina ou o Promedol. Para aliviar a dor espástica e melhorar a saída da secreção pancreática, podem ser prescritos antiespasmódicos: No-shpa e Platifilina.

Há uma regra de ouro no tratamento da forma aguda: o princípio de "frio, paz e fome". Para aliviar os sintomas, é necessário reduzir as funções secretoras e enzimáticas do pâncreas. Para fazer isso, é necessário aplicar uma bandagem de gelo no local do órgão, observar o repouso no leito, morrer de fome - é proibido tomar produtos ainda leves.

Para tratar a deficiência enzimática, o médico pode prescrever Creon ou Festal: o principal "ingrediente" desses medicamentos é a pancreatina, necessária na dose máxima. Portanto, pelo menos 25 mil unidades são prescritas por dia durante todo o período de tratamento. Depois que os principais sintomas são removidos, o estágio de remissão começará, a dose será reduzida.

Para eliminar os fatores provocadores, podem ser prescritos agentes antiparasitários ou antibacterianos: sua dosagem e método de aplicação dependem do grau de infecção, portanto, é tão importante consultar um médico - apenas ele pode prescrever um tratamento competente.

No caso de fibriose ou lipomatose, a cirurgia pode ser prescrita na qual parte do órgão danificado é removida.

Também é fornecida terapia complexa, na qual o paciente recebe vitaminas, aminoácidos, hormônios e medicamentos que levam a um metabolismo aprimorado.

No caso de um curso grave de patologia, em que o sistema endócrino pode ser afetado (o que causa uma diminuição na produção de insulina), são prescritos ao paciente medicamentos especiais para baixar o açúcar.

Caso contrário, o risco de morte por desenvolver hiperglicemia é aumentado.

Dietoterapia adequada é a chave para o sucesso

No caso do DIPI, é necessário ajustar corretamente a nutrição. A dieta com essa patologia se resume ao seguinte:

  • desistir de qualquer álcool
  • consumir mais cereais, laticínios,
  • excluir pratos defumados, bem como alimentos gordurosos e salgados,
  • coma fracionadamente: frequentemente, mas em pequenas porções, o que evitará a forte produção de enzimas,
  • lembre-se do conteúdo calórico dos alimentos - é melhor cozinhar pratos a vapor,
  • excluir da dieta tomates, algumas frutas, por exemplo, morangos e framboesas, esquecem frutas cítricas, alho e ácido acético.

Se as alterações não forem graves, em alguns casos, para se livrar da patologia, basta ajustar sua dieta. No entanto, vale lembrar que o tratamento deve ser prescrito por um médico.

Métodos de tratamento com medicina tradicional

Com alterações moderadas, o médico pode recomendar o uso da medicina tradicional, pois afeta mais moderadamente o órgão afetado e o corpo como um todo em comparação com os medicamentos.

As receitas mais famosas:

  1. Geléia de aveia. Primeiro você precisa preparar a base: despeje um copo de aveia em uma panela de 3 litros, encha-o com água por 30%. Para fazer a composição fermentar, você precisa adicionar uma fatia de pão de centeio ou 500 ml de kefir. A capacidade é deixada por três dias, após o que é filtrada e deixada por mais 12 horas. Após a conclusão, você deve separar a espessura, que é limpa na geladeira. Para cozinhar o kefir, você precisa tomar de 8 a 10 colheres de sopa. engrossar e misturar com 0,5 l de água - a composição é cozida em fogo brando por cinco minutos. A massa resultante deve ser consumida pela manhã antes do café da manhã. Para diluir o sabor, você pode adicionar um pouco de leite ou creme com pouca gordura.
  2. Infusão de sálvia. Para cozinhá-lo, você precisa derramar água fervente uma mistura de calêndula, minério de ferro e sálvia na proporção de 2: 1. Após o cozimento, é necessário deixar o líquido em infusão por 12 horas. Depois disso, você precisa filtrar o medicamento, tomá-lo 100 ml duas vezes ao dia. Da mesma forma, uma decocção de folhas de mirtilo também é tomada.
  3. Produtos apícolas. Assim, a própolis é geralmente prescrita na fase aguda. É o suficiente para mastigar pedaços de própolis por 5-10 minutos, 2-3 vezes ao dia. Você também pode fazer soluções à base de mel: misture 15 ml do produto com 100 ml de água e beba de manhã.
  4. Esta patologia pode ser tratada clinicamente e com a ajuda da medicina tradicional. O principal, depois de descobrir os sintomas, consulte um médico a tempo, que diagnosticará e poderá prescrever tratamento.

Ajude a medicina tradicional

Frequentemente, na presença de alterações moderadas na estrutura do pâncreas, o especialista recomenda o uso da medicina tradicional. Eles contribuem para um efeito suave e mais suave no órgão afetado em comparação com os métodos médicos. As seguintes receitas são eficazes:

Geléia de aveia. Primeiro, prepare a base para a bebida. Para isso, a aveia madura 1/3 é despejada em um recipiente de 3 litros e despejada em água. Para a fermentação, adicione uma fatia de pão de centeio (pode ser substituído por 0,5 l de kefir). Deixe o recipiente por 3 dias. Depois disso, a massa é filtrada através da gaze e deixada por 12 horas. Após o tempo, o espessante é separado e colocado na geladeira. Para kissel, 0,5 l de água é definhada com 8 colheres de sopa. eu mingau colhido por 5 minutos. A massa resultante é consumida pela manhã antes do café da manhã.

É permitido adicionar leite, creme sem gordura.

  1. Infusão de sálvia. Para preparar o produto, despeje um copo de água fervente com uma mistura de ervas: calêndula, sálvia, minério de ferro na proporção de 3: 2: 1 (em colheres de chá). O medicamento está insistindo. Use líquido filtrado 1/2 xícara 2 vezes ao dia.
  2. Decocção de íris e absinto. As ervas são misturadas em quantidades iguais, derramadas com água quente, insistem por 60 minutos. O medicamento é consumido antes das refeições em 15 minutos.
  3. Uma decocção de mirtilos. Tome a solução por 2 semanas, após o que eles fazem uma pausa e repita o tratamento.
  4. Uso de produtos apícolas. De acordo com a prescrição médica, a própolis pode ser usada na fase de exacerbação. É o suficiente para mastigar por 5-10 minutos várias vezes ao dia. Soluções baseadas no produto apícola são preparadas. Para fazer isso, misture 15 ml de tintura e 1/2 xícara de água.

Distúrbios difusos no pâncreas em crianças e adultos podem ser devidos a vários fatores. Uma mudança na estrutura implica uma disfunção desse órgão. Sobre como tratar a patologia, um especialista pode dizer após um exame completo. Em alguns casos, é permitido usar a medicina tradicional em consulta com o médico. Um grande papel é desempenhado pela dieta prescrita para alterações difusas no pâncreas. Às vezes, para restaurar o trabalho do corpo, basta analisar e alterar cuidadosamente sua dieta.